Ad Home

Últimas

Técnico da Alemanha comenta estreia trágica nas Olimpíadas e promete um time mais consistente

A estreia da seleção alemã nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 não foi boa. Não só pela derrota por 4x2 diante do Brasil, mas também pela péssima atuação, principalmente no primeiro tempo.

A Alemanha foi para o vestiário perdendo por 3x0 e só não foi goleada na primeira metade do jogo porque o goleiro Florian Müller pegou um pênalti de Matheus Cunha.

Após a partida, o técnico Stefan Kuntz tentou explicar a partida ruim de seus comandados no Japão.

"Não jogamos bem na construção do jogo, erramos muitos passes. Sem coragem e precisão nos passes, demos ao Brasil muitas oportunidades. O Brasil poderia ter feito muito mais gols", comentou.

"Eu, como técnico, espero que tenha sido um jogo atípico. Meus jogadores também não estão bem preparados fisicamente. Digo isso sem problemas. Não tivemos uma boa preparação. Por outro lado, você viu o que significa uma boa preparação, como a do Brasil", continuou Kuntz.

Os dois próximos jogos da seleção alemã nas Olimpíadas são contra Arábia Saudita (domingo) e Costa do Marfim (quarta-feira). O treinador prometeu um time mais consistente.

"Estamos tentando definir as jogadas o mais rápido possível, temos que arrumar isso. Agora é arrumar o time para que possamos mostrar uma cara diferente nos próximos dois jogos de Tóquio 2020", finalizou Stefan Kuntz.

5 comentários:

  1. Estes alemães são uns "brincalhões"! É relamente um futebol "miss", pois não perdem a pose, quebram o salto, caem de queixo no chão, mas não perdem a pose! Levaram um olé de bola do Brasil, 4x2 não refletiu a superioridade tática, técnica (natural) e física (por incrível que pareça) e até de empenho (mais incrível ainda), dado que o primeiro gol da Alemanha demonstra bem, pois o cintura dura chutou de qualquer jeito (tipo na pelada do final de semana) e o goleiro colaborou! É triste ver uma camisa tão tradicional ser assim tão mau tratada nos últimos anos (depois de 14), com vexames homéricos! E acho que não vai parar por aí, pois depois do fiasco da Euro, da terceira posição nas eliminatórias pra 22 (olhem... Itália 2018 e Argentina quase, a moda tá pegando...), uma eliminação Toquio 21 não seria nada de "anormal", bastante provável, uma vez que terá ainda pela frente uma seleção africana (técnica e força também, contra os cinturas duras...) e depois o amistoso contra a Arábia! Já está jogando de luto, a convocação cheia de "barangas" (Arnould, Kruse, meu Deus...), uma zaga fraquíssima, problemas com Covid (parece que atingiu somente a Alemanha, não há problemas nas outras seleções...), tudo isso evidencia um status difícil de acreditar, ou seja, a DFB está uma bagunça e não é de hoje! SAbe-se que houve corrupção, "estranhamente" no pós 14... mas já se passou um tempo! A seleção principal trocou um técnico ultrapassado por um outro que nunca foi treinador... Importa-se cada vez mais jogadores do estrangeiro, os da casa parecem não querer jogar na seleção (a lista é grande) e a qualidade técnica vem caindo assustadoramente (estes dias assisti pra relaxar um pouco, um jogo treino do Bayer x Colônia, onde em que pese os bávaros utilizarem um time bem alternativo, mesmo assim eram jogadores do elenco, que podem ser aproveitados, o problema é que a qualidade técnica destes me assustou, os caras não correm e não acertam passe de 1 m! Complicado! O futebol alemão virou somente grana e está refletindo na seleção que está virando um saco de pancadas de todo mundo. Acho que 2x4 para uma seleção como a do Brasil, ficou bom, poderia ser uma sacode ia-iá daqueles de quebrar o caneco de chopp... É uma pena, um passado glorioso, sendo dilapidado assim tão rápido. É uma lástima para aqueles que curtem futebol! Mas me parece irreversível!

    ResponderExcluir
  2. Refletindo ainda sobre o atual estágio do futebol alemão, tem um lance que não me sai da cabeça e onde tendo entender até hoje. Na realidade é um binômio, que tem a primeira parte em 2014, no Alemanha 1x0 França, onde esta última estava voando baixo na Copa e a primeira tinha quase sido eliminada pela Argélia. Pois bem, a França não chutou uma bola ao gol! Depois em 2016, semi da Euro, na França, finalzinho do primeiro tempo e o Schweinsteiger (craque e líder do time), dá um soco na bola, dentro da área, numa disputa de bola de cabeça, inconclusivo em relação a perigo de gol (precisaria muita coisa acontecer para ser um lance crítico...), restando ao juiz apenas indicar a marca da cal. Dios mio, que novela de terror amigos... mas vejam na web...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sua afirmação é um evidente exagero: na copa de 2014, a alemanha não foi "quase eliminada" pela Argélia, aí é demais, a Argélia era um bom time, muito forte fisicamente, e ficou com todos os jogadores atrás da linha da bola o jogo inteiro, jogando só no contra-ataque, e no final deu o placar justo: 2x1. Contra a França, não foi assim fácil, lembro que Benzema teve uma boa chance de gol, foi uma partida equilibrada. Sinceramente, não sei aonde vc quer chegar com esse pensamento

      Excluir
    2. Sua afirmação é um evidente exagero: na copa de 2014, a alemanha não foi "quase eliminada" pela Argélia, aí é demais, a Argélia era um bom time, muito forte fisicamente, e ficou com todos os jogadores atrás da linha da bola o jogo inteiro, jogando só no contra-ataque, e no final deu o placar justo: 2x1. Contra a França, não foi assim fácil, lembro que Benzema teve uma boa chance de gol, foi uma partida equilibrada. Sinceramente, não sei aonde vc quer chegar com esse pensamento

      Excluir
    3. Simples o pensamento, o que me diz de uma das maiores federações de futebol do mundo, (inegavelmente), ir para uma olimpíada (torneio importante?) com elenco quase que mínimo numericamente, cheio de problemas, onde convocaram 100 jogadores desde o início da "preparação", com alegação de covid (mas não é uma pandemia?), com jogadores ultrapassados no grupo (Arnould e Kruse, bons exemplos... não há melhores para convocar? Falta mão de obra?) e outros de qualidade técnica duvidosa (vide a partida contra o Brasil, se houvesse apetite deste, o placar seria catastrófico e constrangedor para uma seleção de porte como a Mannschaft). Os Clubes alemães não liberaram jogadores e alguns preferiram não servir a seleção, ou seja, a Olimpíada não é importante (o interesse pessoal e do clube se sobrepõem a duas semanas de "empréstimo" e uma possível/disputada medalha de ouro, que afinal tem seus retornos... inclusive financeiros, ou não?). Veja, respeito sua opinião, percebo que vc participa ativamente sempre que possível e de sua vontade no site e a discussão sempre é bem vinda companheiro! Concordo com suas réplicas, mas espero que considere que há sempre algo a mais fora do campo e que este elemento reflete dento dele, isto me parece uma situação difícil de refutar, apesar de nos incomodar, mas fechar os olhos para ela, não me parece razoável! Forte abraço ao amigo e vamos conversar de futebol, é um assunto instigante, mas convenhamos, sem tanta importância assim... podemos ter nossas teses, neste sentido que coloco (e neste particular (futebol) os bastidores são de arrepiar a boca do balão! Ou não?).

      Excluir