Ad Home

Últimas

teste de anúncio

Cinco motivos para assistir à Supercopa da Alemanha

Por Taynã Melo
@tainandemelo

Revanche de DFB-Pokal, Niko Kovač do outro lado e confrontos individuais caracterizam decisão da DFL-Supercup entre Eintracht Frankfurt e Bayern de Munique

Embora o futebol alemão já esteja em andamento com os jogos válidos pela 2. Bundesliga, pela 3. Liga e pelas divisões inferiores, a temporada é oficialmente aberta no país com a disputa da DFL-Supercup, a Supercopa da Alemanha. A partir das 15h30 deste domingo (12), na Commerzbank Arena, em Frankfurt, Eintracht Frankfurt e Bayern de Munique se enfrentam no primeiro jogo decisivo da temporada, que reúne o campeão da DFB-Pokal e o vencedor da Bundesliga.

A DFL-Supercup começou a ser disputada em 1987. Teve uma pausa em 1996 e só voltou a ser realizada a partir de 2010. Sempre manteve o formato de jogo único com os vencedores dos dois títulos mais importantes do país na temporada anterior.

O Bayern de Munique é o maior campeão, com seis títulos. Completam a lista Borussia Dortmund (5), Werder Bremen (3) e Kaiserslautern, Schalke, Stuttgart e Wolfsburg, com um título cada. Desde 2012, os bávaros marcam presença, com apenas dois troféus -  nas duas últimas edições.


O duelo contra o Eintracht Frankfurt é histórico. As Águias disputaram a Supercopa em 1988 e foram derrotadas por 2 a 0 pelo Werder Bremen. À época, a equipe localizada no coração econômico do país tinha conquistado a DFB-Pokal. Desde aquele ano, o clube não tinha uma conquista, o que voltou a acontecer no último mês de maio, com o triunfo histórico sobre o próprio Bayern por 3 a 1.

Como se os fatos históricos não fossem suficientes, existem alguns motivos para que o torcedor acompanhe o duelo deste fim de semana. A equipe da Placa Teutônica alistou cinco razões para seguir o jogo.

1 — Treinadores: Niko Kovač x Adi Hütter


Niko Kovač fez história ao estar à frente do Eintracht Frankfurt e realizar bons trabalhos à frente do clube. Não à toa que os anos no clube resultaram em destaques e título da Copa da Alemanha. Porém, o técnico croata volta à Commerzbank Arena, mas como comandante do Bayern de Munique, clube que defendeu como atleta. Será o primeiro teste de Kovač em um jogo oficial — até aqui foram apenas disputados amistosos, alguns válidos pela International Champions Cup. O conhecimento que tem das Águias pode ser um ponto positivo, uma vez que pode ter uma noção dos pontos fortes e fracos.

Por outro lado, Adi Hütter vai estrear no Frankfurt. A missão de substituir um treinador que fez história no clube não é fácil, mas o técnico também tem bons trabalhos em seu retrospecto e essas foram as razões para ser contratado pelo time alemão. É a primeira experiência em solo germânico, mas Hütter, de 46 anos, conquistou o Campeonato Suíço com o Young Boys, o que não acontecia desde 1986. Em 2015, venceu o Campeonato Austríaco (também chamado de Bundesliga) e a Copa da Áustria com o Red Bull Salzburg.

2 — Defesa: Makoto Hasebe x Mats Hummels


Dois zagueiros experientes, de qualidade, referências nas duas equipes e que estiveram na Copa do Mundo disputada na Rússia. Enquanto Hasebe fez parte da equipe que quase conduziu o Japão ao seu melhor desempenho na história dos mundiais, Hummels foi titular nas vexatórias atuações alemãs, culminantes na eliminação inédita na primeira fase do Mundial.

Hasebe é o japonês com mais atuações na história da Bundesliga com 260 jogos, além de ser capitão da Seleção Japonesa, com 114 convocações. Com sua habilidade, pode jogar no meio de campo como peça importante na recuperação e criação de jogadas, além de poder ser usado com mais velocidade, principalmente em passes longos. O nipônico completou 88,5% dos passes dados na Bundesliga.

Pela qualidade, títulos e atuações de alto nível, Hummels teve aproveitamento de passes melhor que Hasebe (89,7%) e venceu dois terços nas disputas contra adversários. O objetivo do selecionável alemão é vencer a DFL-Supercup pela quinta vez.

3) Meio-campo latino-americano — Marco Fabián x James Rodríguez


Apesar do título da DFB-Pokal conquistado e de sua presença no elenco, a temporada de Marco Fabián foi aquém do esperado e pode, de certa forma, ser esquecível. Por causa de uma lesão nas costas, ficou ausente por vários meses. Jogou apenas sete partidas válidas pela Bundesliga. A presença do atleta da Seleção do México tenta dar mais qualidade no meio, com mais eficiência nos passes e até alguns gols.

Assim como Fabián, Hasebe e Hummels, James Rodríguez esteve na Rússia para a disputa da Copa do Mundo. O colombiano vai disputar sua segunda temporada no Bayern de Munique e há uma grande expectativa para sua evolução no clube. Usado por Jupp Heynckes como um jogador mais movimentação no meio, principalmente no lado esquerdo, James foi mais participativo, com oito gols e 14 assistências na campanha que resultou no inédito hexacampeonato nacional. O alvo é iniciar bem a temporada e ter melhores resultados obtidos.

4) Laterais velozes e habilidosos — Timothy Chandler x Joshua Kimmich


Para o lateral-direito do Eintracht Frankfurt Timothy Chandler, a união foi fundamental para o Eintracht Frankfurt vencer a Copa da Alemanha. Com passagens pela Seleção dos Estados Unidos no tempo que Jürgen Klinsmann esteve à frente do banco de reservas ianque, o jogador tem importância fundamental tanto para a defesa como para o ataque. Em âmbito defensivo, pode ser usado em um esquema com três ou com cinco atletas, uma vez que conseguiu 50% de êxito nas disputas contra jogadores adversários e foi fundamental para o time ter a sexta melhor defesa da Alemanha. No ataque, realizou 69 cruzamentos.

Por outro lado, Joshua Kimmich é um dos principais atletas em sua posição na atualidade. Com 23 anos, atuações de alto nível no Bayern de Munique e convocações para Nationalmannschaft, é o modelo de um ala moderno, conhecido como o atleta que sabe fazer o box-to-box, que é o fato de estar na defesa e no ataque durante vários momentos da partida. Kimmich deu 109 cruzamentos, dez assistências, completou 90% dos passes e marcou 15 gols nos últimos dois anos. Se o Bayern teve o melhor ataque e a melhor defesa do país, o lateral-direito contribuiu bastante para tal feito.

5) Ataques de ponta — Ante Rebić x Robert Lewandowski


Os dois atacantes estiveram na Copa do Mundo. Esperava-se que a Polônia teria sucesso na Rússia justamente por causa dos números expressivos de Lewandowski, mas foi Rebić que se destacou com a campanha que resultou no expressivo e histórico vice-campeonato mundial com a Croácia. Rebić foi mais efetivo na DFB-Pokal ao marcar dois gols na vitória por 3 a 1 sobre o Bayern. Com 24 anos e nove tentos assinalados na última temporada, um bom desempenho na DFL-Supercup pode ser o início de outra jornada muito boa. Desta vez, o Eintracht Frankfurt vai disputar a Uefa Europa League, o que não acontece há cinco anos.

Apesar do fiasco na Copa do Mundo, Robert Lewandowski é um atacante extraordinário. Em 257 partidas na Bundesliga, são 180 gols, 90 destes nos últimos três anos. O sétimo maior goleador da história tem tudo para chegar aos 200 tentos assinalados no Campeonato Alemão e ser o quinto atleta a atingir tal feito. Seus gols são fundamentais para os títulos conquistados desde sua chegada — Bundesliga, DFB-Pokal e DFL-Supercup. Porém, o centroavante tem a meta de melhorar o desempenho na Supercopa. Nos últimos sete jogos, apenas dois gols marcados. A expectativa do camisa 9 é de balançar as redes e conquistar seu quatro troféu.

Nenhum comentário