Ad Home

Últimas

Fim de uma era! Özil desabafa, cita racismo, preconceito e se aposenta da seleção alemã

Aos 29 anos de idade, o meio-campista Mesut Özil não é mais jogador da seleção alemã. Neste domingo, o jogador emitiu um comunicado oficial pelas suas redes sociais e confirmou que está se aposentando da Mannschaft.

A história de Özil na Alemanha começou em 2009 e terminou em 2018, no jogo diante da Coreia do Sul. No total foram 92 partidas disputadas.

Na nota, o atleta justificou a decisão por se considerar perseguido e discriminado pela DFB (Federação Alemã de Futebol) por conta da sua ascendência turca e, principalmente, por expressar suas opiniões favoráveis à imigração e ao multiculturalismo na sociedade alemã.


"É com o coração pesado e, após considera os eventos recentes, eu não vou mais jogar pela Alemanha, já que eu tenho esse sentimento de racismo e desrespeito. Eu costumava vestir a camisa da seleção com tanto orgulho e animação, mas agora não mais. Essa decisão foi extremamente difícil para mim porque eu sempre dei tudo por meus colegas, comissão técnica e torcedores", disse Özil.

"Mas quando dirigentes do alto escalão da DFB me tratam como eles fizeram, desrespeitando minhas origens turcas e me transformando em propaganda política de forma egoísta, então chega. Não é para isso que eu jogo futebol, e eu não vou sentar e não fazer nada a respeito. Racismo não deveria nunca ser aceito", desabafou.

Vale lembrar que antes da Copa do Mundo na Rússia, Özil (juntamente com Gündogan) se encontrou com o presidente da Turquia Recep Tayyip Erdogan. E isso não pegou muito bem, tanto que os torcedores pediram o corte do atleta dos convocados para o Mundial.

No texto, Özil seguiu criticando Reinhard Grindel, presidente da Federação.

"Em 2004, enquanto você era membro do Parlamento, você reclamou que o multiculturalismo é na verdade um mito, uma mentira duradoura, enquanto votava contra a legislação favorável às duplas nacionalidades e às punições por subornos, e também disse que a cultura islâmica se tornou muito entranhada em muitas cidades alemãs. Isto é imperdoável e não se pode esquecer", comentou.

"Pessoas com histórico de discriminação racial não deveriam ter permissão para trabalhar na maior federação de futebol do mundo, que tem muitos jogadores com famílias com dupla ascendência. Atitudes como as deles simplesmente não refletem os jogadores que supostamente eles representam", continuou.

A foto com Erdogan

Özil nunca escondeu sua simpatia pela Turquia, pátria dos seus familiares. E ele falou também sobre a repercussão da foto que tirou com Erdogan.

"Para mim, ter uma foto com o presidente Erdogan não tem a ver com política ou eleições, mas com o respeito que tenho ao mais alto cargo do país da minha família. Meu trabalho é ser um jogador de futebol e não um político. De fato, nós falamos sobre futebol sempre que nos encontramos, já que ele também era jogador na juventude. Eu sei que isso pode ser difícil de entender. Um líder político não pode ser separado da pessoa. Mas neste caso é diferente. Eu faria a foto novamente", finalizou.

9 comentários:

  1. Talvez a melhor noticia dos últimos tempos relacionado a seleção alemã, primeiro o cara posa em uma foto dando apoio a um presidente que impõe o autoritarismo e a censura sobre seu próprio povo e a Alemanha que é preconceituosa?. Todos tem o direito de terem suas opiniões, e ele pode e deve deixar elas claras, mas acusar a seleção alemã de preconceito, para sair bonito na história, parabéns pra ele e obrigado por tudo que fez pela seleção, por quê realmente fez, gols importantes, assistências espetaculares, e jogos de fazerem os olhos brilharem, como aquele de 2010 contra a Inglaterra, podia ter sido diferente, e infelizmente deixou claro com este ato que a seleção alemã estava rachada durante a copa. A Alemanha tem seu passado manchado, fato, e casos recentes fortalecem o que o Ozil afirma, que foi o caso de racismo contra o Boateng por parte de um político anos atrás, mas a torcida apoio o Boateng sem pensar duas vezes, o racismo existe e é uma verdadeira merda, e isto é em qualquer lugar do mundo, mas a escolha que ele fez foi e é contraditória, mas é direito dele, não sou especialista em política, e essa é minha opinião, talvez outros leitores discordem do meu ponto de vista, sentirei saudade de ver o Ozil dos velhos tempos na seleção, mas as acusações são imperdoáveis, ele utilizou do passado manchado e dos casos recentes para justificar a escolha pessoal dele, e isso é uma ofensa ao povo alemão, então basta um obrigado por tudo e até nunca mais.

    ResponderExcluir
  2. "Mas quando dirigentes do alto escalão da DFB me tratam como eles fizeram, desrespeitando minhas origens turcas e me transformando em propaganda política de forma egoísta"

    O Erdogan usar a foto dele em campanha não é propaganda política? Com todo respeito, o torcedor alemão é eternamente grato ao que Özil fez pela DFB, até pq ele teve muitos jogos bons,não há como negar isso, mas essas declarações são totalmente repugnantes. Gundogan chamou o presidente turco de "meu presidente",ora,se assim é vá defender a seleção turca e abra mão de seu passaporte de primeiro mundo fornecido pela Alemanha. A Alemanha deu tudo para esses caras e retribuem dessa maneira. Tá mais do que claro os motivos do fiasco do plantel que ao menos no papel era o melhor da última Copa.

    ResponderExcluir
  3. Só antecipou o que ia acontecer,não seria mais chamado por questões técnicas,já que não joga nada há alguns anos.

    ResponderExcluir
  4. Acho que pra mim deu pelo fato de já não jogar bem não porque teve estes problemas. Considero a parte técnica mais forte que a política.

    ResponderExcluir
  5. Mas ainda considero ele em boa forma e com vontade de jogar uma grande meia criacionista, e o futebol alemão perde sem está criatividade. Creio que se tivesse marcado 3 gols contra a Coréia do Sul ele teria sido um herói.

    ResponderExcluir
  6. Mas ainda considero ele em boa forma e com vontade de jogar uma grande meia criacionista, e o futebol alemão perde sem está criatividade. Creio que se tivesse marcado 3 gols contra a Coréia do Sul ele teria sido um herói.

    ResponderExcluir
  7. Álvaro Villa Campo23 de julho de 2018 09:57

    Todo o meu respeito e gratidão a Mesut Özil, iniciou nas seleções de base da Alemanha em 2006 e a partir daí teve uma carreira vitoriosa tanto na Mannschaft, como nos clubes por onde passou, na seleção principal está desde 2009, na copa de 2010 na África do Sul conquistou o terceiro lugar em 2014 foi campeão do mundo no Brasil, participando inclusive do eterno 7 X 1, suas origens Turcas devem ser respeitadas, ele é alemão nascido em Gelsenkirchen, cidade inclusive onde nasceu minha saudosa avó, minha família passou por isso aqui no Brasil na época da segunda grande guerra, onde meus pais e avós foram proibidos de participar dos cultos da igreja Luterana e das aulas do colégio que ficava ao lado do templo, hoje minha cidade homenageia os colonos alemães todos os anos na Bauernfest, reconhecendo tudo que eles fizeram pela cidade, assim como devemos respeitar Özil, hoje a camisa da Alemanha possuiu quatro estrelas graças a ele, que fez parte daquele time fantástico de 2014, parabéns Mesut por tudo, muito sucesso e fica aqui registrado o meus sinceros agradecimentos.

    ResponderExcluir
  8. Essa decisão que ele tomou em ter se aposentado da seleção foi muito acertada pois faz uns 2 anos que o nível futebolístico dele está baixo demais. Deveriam pedir pra sair também: Tomaz mulla, Gundogão , Khedira , Boateng , Hummels e Mário Goma.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mesmo jogando muito mal ele seria novamente convocado por Joachim Low para a liga das Nações e eliminatórias da EURO 2022.

      Excluir